Buscar
  • Alvor FM

Coelho Radioactivo e Os Plutónios lançam novo disco


Coelho Radioactivo está de regresso às edições discográficas, desta vez em plena relação simbiótica com Os Plutónios.

Coelho Radioactivo e Os Plutónios é o nome do terceiro disco de Coelho Radioactivo, projeto cantautoral de João Sarnadas, onde surge acompanhado pelo trio Os Plutónios ou, digamos antes, Carlos Rosário (teclas e coros), Pedro Teixeira (bateria) e Ricardo Barros (baixo). Já disponível em todas as plataformas digitais e brevemente terá edição física.

Durante quase oito anos o Coelho Radioactivo, projeto cantautoral de João Sarnadas, pareceu escorregar lentamente para um hiato permanente, cuja promessa foi sendo esperançosamente quebrada por algumas aparições ao vivo que nunca se cumpriram num verdadeiro regresso. Nunca houve num entanto um afastamento entre Sarnadas e a música. Mesmo durante este período de silêncio radioativo, que levava amigos e conhecidos a perguntar a Sarnadas quando o encontravam na rua "Então? Ainda estás na música?", Sarnadas editou dois discos em nome próprio na sua editora Favela Discos, deu concertos a solo e em diversos grupos, fez música com Well, fundou José Pinhal Post-Mortem Experience, tocou ao vivo com Live Low e com os Glockenwise, fez música para dança e teatro, e por aí fora. E mesmo tendo o Coelho permanecido na toca durante todo este tempo, havia um disco meio gravado por lançar a remoer, que se tornava cada vez mais pesado, disco esse que sai finalmente cá para fora.

Quem acompanhou o percurso de João Sarnadas nos seus projetos mais recentes poderia tentar adivinhar que o próximo disco de Coelho Radioactivo seguisse uma linguagem espaçada e delicada, ou uma abordagem cada vez mais experimental à canção. Contudo, esse prognóstico estaria errado. Este disco é por vários motivos uma rotação de 180 graus no percurso que o músico tem vindo a fazer. Os primeiros 90 graus pelo simples facto de este ser o primeiro disco de um Coelho acompanhado, o primeiro disco em que as músicas não foram feitas de um modo solitário, mas em conjunto com um grupo de amigos, Os Plutónios, numa garagem em Mataduços. Já os restantes 90 graus, têm precisamente a ver com o facto de o disco ter sido feito numa garagem. Como sabemos os discos feitos nesses locais míticos para as bandas são muitas vezes mais dados a guitarras elétricas do que a dedilhados folk. Assim, é com 31 anos que Coelho e companhia lançam um disco de rock e de garagem, com uma instrumentação descomprometida, de guitarra elétrica, baixo, bateria e teclado.

Se o seu Canções Mortas é um disco tão pessoal que quase chega a ser constrangedor, este disco deixa de falar tanto de um eu e procura falar sobre um "nós" mais geral. Também há nele músicas sobre amor, mas não é esse o foco do disco, aqui fala-se sobre o ser humano na sociedade que construímos, é falada a nossa condição, o nosso fracasso em atingir os nossos objetivos, o nosso fracasso em comunicar, a nossa relação com o trabalho, o dinheiro e o nosso bem-estar. Evitando ao máximo tocar estes temas sensíveis de um modo condescendente ou reprovador, mas antes num tom franco e contemplativo. Assim, é sem grandes pretensões que o Coelho Radioactivo regressa, acompanhado de amigos de longa data e antigos colegas de escola, Carlos Rosário, Pedro Teixeira e Ricardo Barros, contando ainda com participações de Luís Severo e Catarina Branco num disco de pop rock, tão descomprometido quanto o Coelho consegue ser.


Haff Delta | Foto: Direitos Reservados